A resistência dos sem-teto na avenida Paulista

Por Guilherme Boulos

Nesta quinta (2) completam-se 15 dias que centenas de pessoas acamparam na avenida mais famosa de São Paulo em luta por moradia popular. Vindos de diferentes ocupações –das zonas leste e sul, de Paraisópolis e da região metropolitana –os sem-teto têm resistido ao sol, à chuva e permanecem firmes em frente ao escritório da Presidência da República.

A pauta é conhecida de todos: a retomada das contratações de moradia para os mais pobres, através do Minha Casa, Minha Vida. Desde que o governo Michel Temer foi alçado ao Planalto, nenhuma moradia da faixa 1 do programa (destinada a famílias com renda mensal inferior a R$1.800) foi contratada. É nessa faixa que está o grosso do deficit habitacional brasileiro, pessoas que não conseguem obter crédito bancário e, por isso, precisa do programa social para ter garantido seu direito a morar dignamente.

Na contramão desta necessidade, o governo Temer tem ampliado as faixas do Minha Casa, Minha Vida que atendem famílias com maior renda, transformando-o praticamente em linha de crédito imobiliário. É a reedição do velho BNH (Banco Nacional de Habitação) dos militares. O acampamento do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) na avenida Paulista surgiu contra essa política.

O sociólogo Jessé Souza tratou do fenômeno da “subcidadania” no Brasil, uma herança da Casa Grande. Gente que é tratada como naturalmente inferior, com desprezo e sem reconhecimento social, a quem está reservado o elevador de serviço, a porta dos fundos e outras excrescências de uma sociedade escravocrata. De repente, essa gente toma o centro financeiro da cidade, com altivez e cabeça erguida.

Os sem-teto levaram a solidariedade para a avenida. Uma cozinha coletiva que serve 300 pessoas diariamente, inclusive a população em situação de rua que não faz parte do movimento. Pessoas, de várias classes sociais, que desafiam a indiferença e levam doações de alimento, água e colchões. Alguns param para ouvir e conversar. Gestos estranhos àquela selva de pedra.

O acampamento tornou-se ainda um polo de resistência política e cultural. Aulas públicas sobre reforma da Previdência, educação, feminismo e tantas outras. Gente compartilhando seu conhecimento em oficinas abertas. Artistas levando sua música em shows gratuitos. A programação cultural, organizada pelo coletivo Fora do Eixo, deu vida à avenida.

Nestes 15 dias passaram por lá figuras como Emicida, Criolo e Sérgio Vaz; como a economista Laura Carvalho, o filósofo Renato Janine Ribeiro e os jornalistas Leonardo Sakamoto e José Trajano; a ex-ministra Eleonora Menicucci, a cartunista Laerte e o músico Eduardo Gudim; Frei Betto e o pastor Ariovaldo Ramos. E muitos outros que vieram oferecer seu conhecimento ou sua arte aos sem-teto. Sem falar nos parlamentares solidários à luta e militantes do movimento social e sindical.

As frias calçadas da Paulista receberam o calor da solidariedade e da luta. A decisão dos sem-teto de resistir até ter sua pauta atendida revela a dignidade de um povo que, mesmo sob duras condições, prefere lutar a sucumbir.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/guilhermeboulos/2017/03/1862900-a-resistencia-dos-sem-teto-na-avenida-paulista.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s