4 textos para entender os acontecimentos na Turquia

Não há alternativa excepto o povo

16/07/2016

O Partido Comunista [Turco] conclama o nosso povo a organizar-se nas fileiras do Partido contra os inimigos do povo e da humanidade.

A libertação está nas nossas mãos.

Não temos todos os pormenores do que aconteceu durante a tentativa de golpe que teve lugar na Turquia nas horas entre 15 e 16 de Julho.

Entretanto, sabemos muito bem que planos apoiados por forças estrangeiras, que não colhem seu poder da classe trabalhadora, não podem derrotar as trevas do AKP e resolver problemas da Turquia.

Os acontecimentos de hoje recordam-nos mais uma vez a seguinte realidade: Ou o povo da Turquia organizar-se-á e livrar-se-á do AKP ou as políticas reaccionárias do AKP intensificar-se-ão, a repressão aumentará, continuarão os massacres, a pilhagem e o roubo.

O único poder que pode derrubar o AKP é o do povo, não há alternativa a isto.

O AKP é responsável por tudo o que se verificou na noite passada. Todos os factores que levaram à situação e condições actuais são o produto do domínio do AKP e dos patrões internos e estrangeiros que apoiam o AKP.

Contudo, o facto de que o principal partido responsável seja o AKP não significa que a tentativa de golpe não fosse orquestrada pelo próprio Erdogan a fim de alcançar seus objectivos, tal como abrir o caminho para uma presidência executiva ou limpar os obstáculos relativos à nova constituição.

A tensão e as rivalidades entre diferentes grupos dentro do estado e das forças armadas que se sabe existirem desde há algum tempo transformaram-se em conflito armado. Se bem que as tensões entre estas forças sejam reais, é uma mentira que qualquer dos lados neste conflito represente os interesses do povo. Em consequência, procurar a solução contra o domínio do AKP através de um golpe militar é tão errado quanto dar qualquer apoio ao AKP sob o disfarce de tomar posição contra golpes militares por qualquer razão. A última coisa que deveria ser feita em nome do apoio à liberdade e aos direitos humanos na Turquia é dar apoio ao AKP, o qual demonstrou reiteradamente que é um inimigo da humanidade.

Ainda que não tenham orquestrado este golpe, Erdoðan e o AKP esforçar-se-ão por utilizar as condições resultantes e o apoio que receberam como meio para aumentar a sua legitimidade. Nosso povo deveria ficar alerta contra passos que o AKP certamente dará nos próximos dias. Levantar a luta contra o AKP e suas trevas é o único caminho para impedir que esta tentativa falhada de golpe resulte na consolidação do domínio do AKP tornando-o numa ferramenta para levar a instável Turquia do AKP à estabilidade. O facto de que todas as mesquitas na Turquia difundiram continuamente propaganda de Erdoðan a noite toda é uma indicação concreta da urgência da tarefa que temos em mãos.

O Partido Comunista conclama o nosso povo a organizar-se nas fileiras do Partido contra os inimigos do povo e da humanidade.

A libertação está nas nossas mãos.

Partido Comunista, Turquia

A versão em inglês encontra-se em solidnet.org/…

Este documento encontra-se em http://resistir.info/ .

 


Comunicado Comité Central do Partido Comunista da Turquia

 

O Comité Central do Partido Comunista reuniu-se a 17 de Julho e analisou em profundidade os últimos desenvolvimentos do país e discutiu também o estado do partido e as suas tarefas.

Comunicado:

1. A tentativa de golpe de 15 de Julho não foi um confronto entre centros de conflito ideológico, mas envolveu pelo menos duas ou mais facções com identidades e ideologias de classe idênticas. Não é possível que essas facções não soubessem dos planos e acções umas das outras assim como não é possível separar um do outro.

2. O processo que levou ao golpe tem duas dimensões. Primeiro poderia ser descrito como uma luta pelo «poder» no sentido geral entre apoiantes de Erdogan e o movimento de Gulen, que adquiriu uma nova dimensão com as recentes purgas alargadas de Gulenistas. Enquanto o peso económico e político desta luta aumenta, a luta adquire também uma dimensão internacional e centros imperialistas apoiam estas facções.

3. Que a maioria dos oficiais que participaram na tentativa de golpe é gulenista e que os movimentos Gulen têm ligações com os Estados Unidos, são factos. A ideia que não teria havido golpe na Turquia sem a aprovação dos Estados Unidos já que a Turquia é um parceiro militar próximo como membro da NATO é correcta. A principal razão por trás das altas patentes das forças armadas turcas que estão frustradas por o AKP não tentar um golpe é devida ao apoio que a administração norte-americana tem dado ao AKP.

4. Esse apoio foi recentemente reduzido por varias razões. Alguns elementos com influência nos Estados e alguns países europeus, começaram até a preparar-se para a purga de Erdogan. O levantamento do povo em 2013 com a participação de milhões, o dano nos interesses do sistema devido à tensão criada por Erdogan em largos sectores da sociedade e por fim o fiasco total da politica síria afectou profundamente as relações entre Erdogan e alguns países imperialistas. Não é possível considerar a tentativa de golpe de 15 de Julho sem levar em conta esta tensão.

5. Ainda que os golpistas tenham ligações fora, isso não faz de Erdogan um patriota ou um anti-imperialista. Como político, Erdogan serviu os interesses dos Estados Unidos e dos monopólios internacionais. Agora, como político que perdeu favores entre as forças que o apoiaram durante anos, manobra para criar novas alianças num esforço para se salvar. O facto de Erdogan estar agora a aproximar-se deste ou daquele eixo internacional não muda o seu carácter de classe e as suas preferências ideológicas. Recp Tayip Erdogan é um politico burguês, é um inimigo da classe trabalhadora, é um contra-revolucionário não é diferente dos golpistas que queriam vencê-lo.

6. A tentativa de golpe, os poderes atrás dela, os métodos utilizados e a sua base ideológica não têm a ver com os interesses do povo. A opinião de que o país teria visto melhores dias se o golpe tivesse tido êxito não tem sentido. É óbvio o que poderia significar um golpe pró-americano, anti povo.

7. É também absurdo apresentar a supressão do golpe como uma vitória para o povo e/ou celebrá-lo como o «festival da democracia» na cauda do AKP. É uma aproximação que não questiona a legitimidade do regime do AKP e que ignora os fundamentos de classe do que se está a passar no país.

8. A tese de que Erdogan conquista mais poder depois desta tentativa de golpe é certa até um certo ponto. Sem duvida Erdogan conseguiu uma oportunidade de infligir um golpe pesado à Comunidade Gulen, conseguiu a oportunidade de se fazer de vítima mais uma vez, consolidou a sua base e testou o poder de algumas organizações sob o seu controle. Mas, acabou por ter um aparelho de estado seriamente danificado e tem de enfrentar o facto que já não há burocracia segura por causa da transitoriedade das facções integrais.

9. Nessas circunstâncias, Erdogan pode tentar uma purga não só de elementos gulenistas como também de Kemalistas com quem tem mantido uma aliança nas duas instituições de estado mais críticas, as Forças Armadas Turcas (TSK) e o aparelho judicial, e manter-se apenas com os seus apoiantes. Embora seja relativamente fácil conseguir isso em vários sectores da burocracia, há grandes desafios em confiar nos seus recursos no sector militar e judicial. Sem entrar num confronto absoluto e final no plano social, Erdogan não pode fazer esta jogada, que significaria essencialmente uma tentativa de estabelecer um estado islâmico. Por outro lado, Erdogan não tem outra maneira de conseguir consolidar as suas massas sob tensão.

10. Também é possível que Erdogan faça um esforço para reparar as relações com os Estados Unidos e reduzir a tensão interna após um rápido período de terror e intimidação, e já há sinais de que ele se prepara para dar esses passos. Adicionalmente, as expectativas do CHP e HDP vão também nessa direcção. Essa opção é difícil porque não é possível a Erdogan sem políticas de tensão crescente, limpar o campo dos seus elementos radicais. Nem a oposição no Parlamento parece ser um problema para Erdogan e o seu AKP.

11. Em qualquer caso, há uma dissolução e uma crise multidimensional sobre a hegemonia do capital. Não é esta dissolução mas o estado desorganizado da classe trabalhadora, que neste momento é perigoso.

12. Outro perigo potencial é espalhar-se a ideia após o golpe que Erdogan é invencível. Esta crença é acompanhada de cenários «assustadores» que se espalham como vírus e notícias, que na sua maioria são mentiras e criam um estado de pânico. O governo AKP tem sido sempre perigoso e claro que agora é ainda mais perigoso. Mas o clima de pânico está a ajudar a legitimar a agressão do AKP. Na verdade, nem o AKP nem Erdogan são tão fortes como afirmam nem a Turquia é um país cujo futuro pode ser lançado à escuridão da noite. Por exemplo, nas chamadas «celebrações» após o golpe, apesar dos apelos, o número de apoiantes do AKP nas ruas foi limitado. A posição correcta é saber o perigo que está pendente mas não ceder ao pânico, pelo contrário, tentar utilizar a dissolução em benefício da classe trabalhadora.

13. O AKP e a ameaça fundamentalista não devem ser subestimados. É claro que o período que abriu com a asserção «O Secularismo não está ameaçado» levou o país à beira do abismo. Mas, há a tarefa de organizar um movimento popular mais poderoso e mais «pronto» a enfrentar esta ameaça considerável. Esta tarefa não será conseguida a espalhar o medo depois de longos anos de dormência. Que a oposição dentro do sistema esteja a coroar a inacção passada com a criação do pânico actual é inaceitável.

14. Nestas condições, a principal fonte de poder do AKP e Erdogan continua a ser os seus oponentes no sistema político. O estabelecimento político centrou os seus planos na normalização, transformação e organização do AKP. A atitude de alguns políticos que garantem ser representantes da «esquerda» no Parlamento é realmente espantosa e causadora de preocupação.

15. Experiências durante e após o 15 de Julho mostraram como são terríveis as facções dentro do estado. Todos vimos como os golpistas não tinham limites para a crueldade. Depois, vimos o barbarismo do governo. Tudo isso não se resolve pela ideia «deixem-nos matar-se uns aos outros». Um número desconhecido de civis foi morto e soldados de várias patentes que não sabiam o que se passava foram linchados. Talvez sejam julgados os perpetuadores desses actos horríveis, linchamentos e tortura sobre suspeitos e soldados que se renderam e os dirigentes daquelas duas facções que durante anos trabalharam juntos mas que agora se digladiam, eventualmente terão de enfrentar a justiça do povo.

16. Não é correcto explicar toda essa crueldade como um sinal de «poder». Pelo contrário é dissolução, medo e confusão do lado do governo. O medo generalizado pode apenas ser vencido por movimentos fortes, sólidos e consistentes, nunca por acções desorganizadas e loucas. E essa dissolução pode ser transformada numa oportunidade para o povo.

17. Como sempre afirmámos a Turquia só pode ser libertada pela luta unificada da classe trabalhadora contra a hegemonia de classe apresentada pelos poderes negros, não como resultado de lutas entre os poderes negros. Recusamos toda a espécie de análises e posições que ignorem esta realidade. É obvio que os Comunistas não darão crédito às atoardas de «vitória dos poderes democráticos» e ao apelo falacioso a unir todos contra Erdogan. Entre aqueles que gritam as palavras «a vitória do poder democrático» alguns estão, também, a criar o pânico com a retórica de «os seguidores da sharia vão cortar as vossas cabeças» é um testemunho do nível de confusão.

Repetimos: o nosso caminho nunca se cruzará com os representantes da classe capitalista, com golpes apoiados pelos Estados Unidos e NATO ou agentes de revoluções coloridas. Isso não nos enfraquece. Uma classe trabalhadora desorganizada deslumbrada com soluções falsas iria enfraquecer-nos.

18. A escala de vazio entre as fileiras de pessoas, criada como resultado da animosidade contra a organização vê-se claramente num país em que o movimento Gulen, gangues do governo, grupos de interesses, assassinos profissionais e mesmo a máfia têm a capacidade de agirem «organizados» Vamos ainda mais longe ao dizer que todos os que querem uma sociedade sem classes, livre de exploração tem de lutar e unir-se por um estado de organização persistente, continuo e de espírito colectivo. Negar essa tarefa, legitimando a inércia e a indiferença a este ponto equivale a ser um inimigo do povo. É importante reforçar a organização da classe, independentemente das seitas religiosas. Os movimentos Gulen, centros capitais e imperialistas, aqueles que idolatram as reacções populares apolíticas, acções de massas espontâneas não organizadas, aqueles que não têm objectivo nem interesse sob a retórica do «pluralismo Gezi» talvez tenham aprendido a lição.

19. O único objectivo do Partido Comunista é tornar-se uma organização revolucionária independente que pode mudar o equilíbrio de forças no pais, mobilizando-se durante os golpes ou campanhas reaccionárias. A fim de conseguirmos juntos esse objectivo, o nosso único apelo à nossa classe trabalhadora é mobilizar, acreditando apenas no seu poder e tomando a iniciativa em vez de assistir a este pesadelo.

Comité Central do Partido Comunista da Turquia

http://www.odiario.info/index.php?autman=+Comit%C3%A9+Central+do+Partido+Comunista+da+Turquia&submit=Buscar

 Comité Central do Partido Comunista da Turquia

————————————————————————–

US$2 mil milhões da CIA para o golpe turco
Quem é o general Campbell e como ele preparou o golpe turco

Por Anastasia Kazimirko-Kirillova

03/08/2016

Gen. John F. Campbell.O antigo comandante da International Security Assistance Force (ISAF) e executante operações da NATO no Afeganistão, o general Johh F. Campbell é uma figura chave por trás da tentativa de golpe na Turquia segundo os autores de uma investigação independente do jornal turcoYeni Safak. [1]

Segundo as suas fontes, ele foi responsável pela coordenação e direcção dos soldados que participaram nos eventos de 15-16 Julho. Campbell conduziu os preparativos na Turquia durante oito meses e meio. Sob a sua direcção estava originalmente um grupo de cerca de 80 agentes da CIA, os quais através da organização terrorista Fethullah Gulen (FETÖ) inseriu grupos subversivos dentro do exército e instou a liderança militar da Turquia a apoiar o golpe.

O general americano manteve reuniões regulares secretas em bases militares turcas – Erzurum e Incirlik. Fontes militares acreditam que somente ele estava encarregado da promoção e afastamento de oficiais nestas bases. Os seguidores de Gulen avançaram mais rapidamente na sua carreira, recebiam salários mais altos e tinham outros benefícios. Os arquivos dos gulenistas foram descobertos durante investigações em Incirlik, os quais continham dossier extensos sobre cada membro da rede de agentes e membros das suas famílias.

Após o golpe fracassado Cahit Bakýr e ªener Topçu foram presos no aeroporto de Dubai por generais turcos. Ambos se encontravam com Campbell no Afeganistão, onde lideravam um contingente turco de forças da NATO. Segundo alguns militares turcos, americanos no Afeganistão trabalham activamente com os militares, convertendo-os em gulenistas. Dissidentes e patriotas eram fisicamente eliminados, sob circunstâncias convenientes. Hoje os antigos associados de Campbel estão a testemunhar, um após o outro, revelando as cadeias da rede pela qual a CIA havia literalmente enredado a Turquia.

Os EUA proporcionaram pelo menos US$2 mil milhões para as despesas. Os fundos, vindos através de bancos africanos, eram distribuídos por Campbell. Em troca da ajuda os golpistas prometiam dar permissão aos Estados Unidos para abrirem uma nova base militar na fronteira turco-síria, equipada com a tecnologia mais actual. Também entre os acordos estava o aumento da pressão económica e militar sobre a Rússia, a qual mudaria gravemente o equilíbrio de forças na região.

Contudo, Washington não planeava dotar a junta de plenos poderes. Campbell preparava um regime leal e confiável sob a trela curta da inteligência estado-unidense. No caso de independência excessiva dos rebeldes havia um “plano sírio”, o qual incluía nova propagação de instabilidade para mergulhar a Turquia no caos de acordo com o modelo do Afeganistão, Líbia, Iraque e Síria.

Os Estados Unidos têm utilizado o mesmo esquema desde Osama bin Laden, o qual, na sua entrevista de 1993 [2]intitulada “Guerreiro anti-soviético coloca seu exército na estrada da paz” (“Anti-Soviet warrior puts his army on the road to peace”), afirmou:

“A imprensa egípcia afirma que ele trouxe centenas de antigos militantes árabes do Afeganistão para o Sudão e a palavra que corre nas embaixadas ocidentais em Cartum é que alguns dos “afegãos” que vieram com o homem de negócios saudita estão agora ocupados a preparar-se para futura jihad na Argélia, Tunísia e Egipto. O sr. Bin Laden está bem consciente destes rumores. “Isto é uma insensatez jornalística-diplomática”, disse ele, “sou engenheiro civil e perito em agricultura. Se eu tivesse campos de treino aqui não conseguiria trabalhar no meu projecto”.

Como se não houvesse 23 anos de conflito sangrento e uma monstruosa orgia de terror, como se toda a gente houvesse esquecido como os EUA financiaram aqueles ou outros “guerreiros, a liderarem seus exércitos para a paz” por todo o Médio Oriente e o Norte da África. Fethullah Gülen está agora a entrevistas e conferências e imprensa assim a partir do seu refúgio nos Estados Unidos. Apesar dos pedidos oficiais de autoridades turcas, o governo americano não perturbara o pregador terrorista e seus livros, agentes de influência e escolas totalmente sectárias do movimento “Khezmet” gradualmente propagar-se-ão pelo mundo, apesar das restrições.

Onde está o general Campbell, que com seus cúmplices planeava a sangue frio o massacre nas ruas de Ancara e Istambul (e também responsável pela crueldade com a qual uma multidão colérica tratou soldados golpistas) e que, em caso de fracasso, estava pronto para lançar a Turquia num conflito sangrento? O herói americano sem medo e sem falhas só enfrentará uma repreensão pelo fracasso da operação e afundou-se na sombra. Talvez para treinar novos recursos humanos e carpinteirar novas redes de inteligência para algum outro golpe militar.

[1] Yeni Safak : Jornal conservador turco.
[2] O autor refere-se à entrevista dada a Robert Fisk, a qual não foi presencial mas sim por escrito. É duvidoso que em 1993 Osama bin Laden ainda estivesse vivo. A farsa da “execução” de bin Laden no Paquistão em 2011, ordenada por Obama, só engana quem quer se deixar enganar.

O original encontra-se em www.fort-russ.com/2016/08/2-billion-cias-bill-for-turkish-coup.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .


Entrevista concedida pela Juventude do Partido Comunista – Turquia à União da Juventude Comunista – Brasil (Juventude do PCB)

12/08/16

Nas últimas semanas, durante a tentativa de golpe militar na Turquia, os comunistas brasileiros acompanharam de perto os acontecimentos através de um militante que estava no país. A seguir, segue uma entrevista concedida pela Juventude do Partido Comunista – Turquia à União da Juventude Comunista – Brasil, juventude do PCB.

1-A Turquia enfrentou uma tentativa de golpe militar. Sabe-se que desde que o partido de Erdoğan, AKP, entrou no poder em 2003, existem tensões entre o exército, historicamente laico e secular, e o governo, islâmico e conservador. Porém, o presidente Erdoğan culpa o clérigo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, acusando-o de ser o mentor por trás do golpe, através de seu grupo, a Cemaat. Até o momento o que se sabe sobre as reais motivações do golpe? Quem é Fethullah Gülen e quais são os planos da Cemaat? Qual a relação, nos últimos anos, entre o partido de Erdoğan, AKP, e o movimento gülenista?

Na verdade, o exército tem sido o principal ator em nossa história recente que tenha adotado e sistematicamente exercido a política de “islamização” a fim de “reabilitar” a sociedade turca após o golpe militar de 12 de setembro de 1980. Assim, primeiramente, devemos nos opor a essa impressão de um exército turco “historicamente laico e secular”, pois esta visão não está exatamente correta. O exército é uma instituição que compõe a ordem atual, e sempre tem intervindo na política com o objetivo de preservar os interesses da burguesia. Estes interesses capitalistas podem corresponder tanto a uma restauração secular, quanto a uma restauração islâmica.

Até 2011, as tensões entre o exército e o AKP se davam principalmente acerca das preferências geopolíticas do Estado turco e da formação ideológica da sociedade turca que completaria tais preferências. É óbvio que a burguesia turca, em quase todas suas frações, abraçou o modelo representado pelo AKP, e em seu programa viu um projeto que poderia concretizar suas tendências imperialistas. Porém, alguns anos depois, Tayyip Erdoğan provou-se ser um personagem político questionável, buscando uma autonomia luxuosa para a capital turca (Ankara), que se expandiria por uma vasta região, chegando até a contradizer os interesses do imperialismo estadunidense, que historicamente dominam a Turquia. Não há necessidade de citar o ódio formado contra Erdoğan entre uma ampla massa secular da população, que chegou por vezes a se manifestar em meio ao aprofundamento da crise política, como nas revoltas de junho de 2013.

É neste momento que a organização de Fethullah Gülen, como partido da corrente islâmica que prega boas relações com os EUA e moderação enquanto toca a transformação da textura social, entra em jogo. Recentemente declarada uma organização terrorista pelo Estado turco, a organização de Gülen era, até alguns anos atrás, a maior aliada do AKP. Apesar de haverem várias seitas menores, chamadas de “cemaat”, dentro da vertente sunita do Islão, a organização de Gülen, como uma das mais poderosas, passou a ser identificada e se identificar com a própria palavra “cemaat”. A Cemaat é mais como um movimento de esquemas que tem se infiltrado em posições-chave dentro do mecanismo estatal, com vários anos de operações encobertas e redes de contato com uma aparência não-política, diferentemente do AKP, que vem de uma tradição de militância política-islâmica e que tem abertamente se adaptado ao mundo da política. Para Erdoğan, essa aliança com a Cemaat, que durou até 2013, era a chave para abrir o caminho que o levaria ao poder. Os esquemas da Cemaat no judiciário eram influentes na dissolução da burocracia kemalista (tendente ao secularismo), especialmente no exército. Em todas instituições estatais, eles compartilharam os cargos retirados de burocratas kemalistas exonerados ou presos. Porém logo após o rompimento, a Turquia mais uma vez se viu testemunhar outra rivalidade intraestatal. Como vocês podem compreender, devemos distinguir as tensões entre o AKP e o exército antes de 2011 e após 2011: agora as forças que se encaram frente a frente e o que elas representam politicamente são diferentes.

A tentativa de golpe, organizada principalmente pelos oficiais gülenistas do exército, foi uma operação militar que aspirava à eliminação de Erdoğan, que é considerado um parceiro desconfiável e visto como uma fonte de crise política. Então podemos dizer que esta foi uma tentativa de uma restauração de pequena escala resultando em violência e uma agressão militar de alta escala.

2- O presidente do Equador, Rafael Correa, uma vez disse que “nunca vai haver golpe nos EUA porque não existe uma embaixada americana lá”. Existe qualquer evidência de influência estrangeira sobre a tentativa de golpe? Dos Estados Unidos, Rússia ou qualquer outro país?

O próprio Fethullah Gülen é um representante dos interesses estadunidenses na Turquia, e sua organização é conhecida por cooperar com os serviços de inteligência norte-americanos. É claro, também, que o movimento gülenista é o mentor por trás da falha operação militar, então a intervenção dos EUA torna-se óbvia. Isso explica o porquê dos EUA e da OTAN terem esperado até o último momento das confrontações militares se cessarem para aí sim denunciarem a tentativa de golpe militar.

Por outro lado, a Rússia e o Irã não perderam tempo para declarar apoio a Erdoğan. Agora podemos esperar uma reaproximação entre a Turquia e a Rússia. Pelo lado de Erdoğan, esse tipo de consequência é certamente derivado de eventos recentes. Por exemplo, após a tentativa de golpe, alguns oficiais militares eurasiáticos kemalistas, exonerados e presos antes de 2010, foram recondecorados com os postos retirados da Cemaat. Para dar outro exemplo, o encontro de Putin com Erdoğan que estava planejado para ocorrer em setembro foi remarcado para uma data mais próxima. Essas são transformações importantes. De qualquer forma, não se espera que a Turquia rompa com a aliança atlântica, mas sim que o AKP tome um posicionamento reprovador em direção aos EUA, ao invés de inverter sua posição geopolítica.

É claro, uma análise mais teórica pode nos ajudar a melhor explicar a relação entre as contradições intraestatais turcas e os conflitos interimperialistas. Mas por enquanto, nós devemos continuar observando a situação, e no meio tempo foquemos nosso interesse no que nós, os comunistas, estamos fazendo.

3- O começo das manobras do exército, na noite de sexta-feira e a rendição da maioria dos soldados envolvidos no golpe, na manhã de sábado, não levou muito tempo. Por que a tentativa de golpe se liquidou tão rapidamente? Qual era o papel das mesquitas na chamada da população para as ruas após o apelo de Erdoğan que pedia que seus apoiadores encarassem o exército?

Parece que houve alguns pontos de ruptura que levaram ao fracasso do golpe. Mais detalhes foram revelados com o início das interrogações. Sem compartilhar tudo, podemos dizer que aconteceram alguns toques das frações estatais pró-governo que forçaram que os quartéis-generais do golpe agissem antecipadamente. No dia 15 de julho, durante a tarde, ao invés de realizar uma operação para eliminar os líderes da junta, a Organização Nacional de Inteligência (MIT, em turco) passou a informação de uma tentativa de golpe para o chefe do Estado-Maior. A junta foi forçada a agir antecipadamente, mas até o fracasso da operação no hotel onde Erdoğan ficou, eles ainda tinham esperança. Infelizmente, para eles, Erdoğan retirou-se minutos antes de um helicóptero Skorsky remexer o hotel enquanto um grupo de soldados de elite invadia o térreo.

Após falhar em eliminar ou aprisionar Erdoğan e depois de o conflito dentro do edifício do chefe do Estado-Maior resultar na morte de um comandante do golpe militar, deu-se início à liquidação da tentativa de golpe.

O fator popular também aparenta ter sido bem organizado pelo AKP. Antes mesmo do primeiro batalhão de tanques pipocar nas ruas, já haviam pessoas esperando na entrada do Aeroporto Atatürk e em outros prédios municipais de Istambul. Então os apoiadores do AKP, grupos paramilitares fundamentalistas e governos municipais tiveram a chance de agir no processo desde seu início. As mesquitas transmitiram por todo o decorrer da noite, e chamaram o povo ao apoio de Erdoğan em nome da jihad e do patriotismo. Muitas pessoas desarmadas morreram por causa deste chamado imprudente, mas é claro, foram baixas necessárias para salvar o presidente Erdoğan, e elas funcionaram. Multidões fiéis se levantaram contra os tanques e a intervenção estrangeira que ameaçavam o governo islâmico eleito. Isto foi o resultado pelo qual o AKP esperava, e o alcançaram à custa de dezenas de vidas inocentes.

As organizações terroristas e milícias paramilitares têm apoiado a causa de Erdoğan, apressadamente comparecendo às ruas para salvar o governo regente. Mesquitas por todo o país incentivaram esses grupos e seus simpatizantes a tomar partido. Isto é uma demonstração contundente de como a religião e as instituições religiosas são usadas como ferramentas pelo governo burguês da Turquia.

4- A Turquia, que sempre tem sido um país laico, tem passado por diversas reformas implementadas pelo presidente Erdoğan, que objetiva a “reislamização” do país. Conte-nos mais sobre isso e sobre o que o KP (Partido Comunista) tem feito para impedir esse processo.

Após a guerra de independência, a revolução burguesa, em 1923, implementou o laicismo como um dos principais pilares da República da Turquia. É claro que o governo burguês dos kemalistas entendia e via no laicismo a chance de jogar as organizações religiosas para fora da política, mas não erradicar sua existência social. Depois de 1950, a Turquia entra na OTAN e desenvolve sua interdependência com os Estados Unidos a um nível mais alto, enquanto a transformação da sociedade com o desenvolvimento do capitalismo prosseguia e os capitalistas turcos começavam a se deparar com uma classe operária combatente. Foi assim que se deu a reintrodução das antes “expulsas” organizações religiosas na política, agora reforçadas pelos imperialistas, com o intuito de combater o comunismo e o movimento operário. Esse foi, então, o início da jornada dos políticos islâmicos na Turquia.

Como o capitalismo é obrigado a usar as correntes fundamentalistas para se manter vivo, acreditamos que a laicidade necessita ter um caráter de classe, um caráter operário. A sociedade capitalista tem uma estrutura instável e desigual, o que oferece um bom cenário a estas ideologias reacionárias. Nosso partido e nossa juventude são muito ativos em encarar os ataques fundamentalistas do AKP sem concessões. Por exemplo, nós apoiamos e organizamos a luta popular contra a islamização do sistema educacional; nós politizamos as reações sociais contra a humilhante retórica do governo para com as mulheres; nós tentamos levar a pauta laica à luta anticapitalista, por meio do “Movimento Iluminista”, liderado por intelectuais socialistas. Resumindo nossos esforços, estamos tentando determinar o caráter classista dos sentimentos laicistas já existentes entre as massas e mostrar, assim, o único caminho para fora desta escuridão, o socialismo.

5- É notório o apoio do governo turco aos chamados “rebeldes moderados” na Síria. Vocês concordam com a denominação dada aos rebeldes? Qual a posição do KP acerca do conflito no país vizinho?

Mesmo se tenha começado com reações públicas legítimas das classes populares, a tão chamada “Primavera Árabe” rapidamente se transformou em uma operação imperialista para remodelar os regimes tradicionais dos países árabes onde o capital internacional mantinha, anteriormente, pouco (se algum) controle. Como partido comunista, nós nunca saudamos tais eventos nomeando-os de “revolução”, tendo sido uma análise recorrente e apoiada entre os grupos da esquerda liberal. É um fato que Bashar al-Assad já tem dado diversos passos em direção a uma transformação neoliberal; porém, desde que essa operação imperialista contra a Síria tomou forma, o povo sírio tem feito de tudo para defender seu país dos grupos jihadistas e dos tais “rebeldes moderados” que as potências imperialistas tentam sustentar. O braço opositor na Síria deve esperar sua derrota, pois este não tem raízes dentro da nação. Na outra mão, assim que uma mente política tende a explicar os acontecimentos por um espectro de referências religiosas, esta se torna um pensamento reacionário que nada tem de “moderado”. Desta forma, podemos dizer que não há diferença entre o Estado Islâmico e outros grupos jihadistas na Síria, todos lutando com armas e soldados providenciados por vários países da ordem imperialista, incluindo os EUA, países da UE e, eventualmente, a Turquia. Enquanto tentamos evitar os planos belicistas do governo do AKP na Turquia, estamos, também, orgulhosos da honrosa resistência do povo sírio. Além disso, mantemos uma ótima relação de camaradagem com o movimento comunista na Síria.

6- O KP vê qualquer relação entre o apoio do governo turco a grupos rebeldes na Síria e os diversos ataques terroristas realizados por radicais islâmicos na Turquia, ao longo dos últimos meses?

Desde o começo da crise síria, nós sempre declaramos que o apoio a guerrilheiros jihadistas resultaria em graves consequências não só na Síria, mas também dentro de nosso próprio país. O governo turco de forma alguma hesitou em financiar armamentos, alimentação, saúde e apoio doméstico às milícias paramilitares reacionárias que combatem na Síria. Do outro lado da moeda, são as políticas deste governo que organizaram um completo processo de islamização na Turquia. Segundo pesquisas, quase 10% da Turquia declara simpatia para com o Estado Islâmico. Como resultado, não é nada surpreendente que tivemos milhares de cidadãos turcos que partiram à Síria para participar da “jihad”, ou que se tornaram jihadistas encarregados de tocar tarefas dentro da Turquia.

7- Calcula-se que existem mais de dois milhões de refugiados sírios na Turquia desde o início da crise na Síria. Como o governo do presidente Erdoğan está lidando com essa massa de refugiados?

Desde o início, refugiados sírios estão sendo usados pelo governo como uma ferramenta de populismo, para mostrar quão “generosa” e “poderosa” a Turquia é. Enquanto a onda de imigrações continuou, rapidamente ela se transformou em crise, por causa dos números enormes e pelo fato de o governo turco não reconhecer aos sírios um status oficial de “refugiados”. Assim, o povo sírio está espalhado difusamente por todas as partes do país sem ter nenhum direito sustentável. Os campos providenciados pelo governo estão muito longe de uma resposta capacitável (sendo capaz de receber muito menos de um quarto do total da população imigrante); todavia, isso não impede o governo de fazer barganhas sujas e negociações com a União Europeia em cima da vida desses milhões de vítimas da operação imperialista no Oriente Médio. Conforme detectamos os primeiros sinais de racismo e/ou xenofobia contra os sírios, nós enfatizamos o fato de que os imigrantes sírios estão se tornando parte do proletariado na Turquia. Portanto, contra o show hipócrita e irresponsável do governo e contra os ataques racistas da oposição nacionalista, nós saudamos os imigrantes sírios na Turquia, os quais não demoraram para serem apresentados à nossa forte luta de classes contra a burguesia na Turquia.

8- No fim do ano passado, a força aérea turca abateu um jato militar russo no norte da Síria, abalando as relações entre a Turquia e a Rússia. Recentemente um general estadunidense visitou um campo de treinamento de milícias curdas no Curdistão sírio, o que enfureceu Ankara. Desde a tentativa de golpe, alguns oficiais de alto nível do governo turco levantaram suas vozes contra os Estados Unidos, pedindo pela extradição do imã Fethullah Gülen, acusando Washington de estar dando asilo a um criminoso. Como é possível explicar a imprevisível política externa de Erdoğan, marcada por tensões com ambos Estados Unidos e Rússia?

A Turquia é um país importante no cruzamento entre a Europa e o Oriente Médio, sendo este controlado principalmente pelos investimentos financeiros e estratégias político-militares do imperialismo estadunidense. Apesar da tensão existente com os EUA acerca de seu extensivo apoio ao movimento curdo ou sua hesitação em um apoio decisivo aos jihadistas da oposição na Síria, o governo do AKP nunca será capaz de mudar as coordenadas determinadas do país passando para outro campo imperialista. Não é um segredo que o pensamento “eurasiano” tem certas raízes na Turquia; porém, parece impossível não apenas para o eixo AKP-Erdoğan – que tem feito séria e plena transformação na Turquia – mas também para qualquer outro governo turco burguês salvar o país da decisiva influência dos EUA, que já continua a mais de sessenta anos. Nós não podemos esquecer que as políticas agressivas contra a Rússia foram cumpridas em nome da estratégia da OTAN acerca da questão do Oriente Médio. Sem mais, hoje não temos certeza se o AKP é suficientemente louco para jogar o jogo de transferência do campo estadunidense-europeu em direção a um campo russo-iraniano, mas eles podem ter certeza de que os EUA faram de tudo que for possível – incluindo um novo, bem sucedido e sangrento golpe – para barrar tal tentativa.

9- Como vocês analisam a recente aproximação entre a Rússia e a Turquia, após as tensões entre os dois países desde o abate do jato militar russo na Síria, no fim de 2015? Vocês veem qualquer possível relação entre isso e a tentativa de golpe?

A Rússia é um país fortíssimo, tanto diplomaticamente quanto militarmente, nessa região. Como resultado, a Rússia pode ser considerada como uma potência militar de um campo político que inclui o Irã e a China, representando uma alternativa ao campo norte americano e europeu. Durante a separação entre o AKP e a Cemaat, o lado da Cemaat – que presenta perfeitamente uma força política pró-EUA – acusou o lado do AKP de ser composto, por entre outros, elementos pró-eurasiano, e mais especificamente, “agentes iranianos”. Apesar da intensidade das críticas à Europa e o crescente apoio eurasiano a Erdoğan atualmente, não devemos nos esquecer que movimentos islamitas ao redor de todo o mundo têm, tradicionalmente, sido alimentados pelo imperialismo estadunidense, e, portanto, tal tentativa de mudança de campo político iria significar um inevitável suicídio político para Erdoğan.

10- Durante as celebrações do último 1º de maio em Istambul, junto às linhas do KP haviam presentes várias bandeiras arco-íris, o símbolo universal do movimento LGBT. Como o KP está agindo em relação a essa minoria em um país tão conservador como a Turquia?

Um ponto decisivo para o movimento LGBT na Turquia foram as revoltas de junho de 2013. Os LGBTs têm enrijecido os valores de igualdade e solidariedade do movimento popular em junho de 2013. Nós já tínhamos algumas experiências naquele campo, mas a partir daí, aumentamos nossas intenções em criar uma intervenção coerente com nossa luta de classe, objetivando quebrar com a ideologia liberal do identitarismo na luta da população LGBT. Através de nossa organização, “Comunistas LGBT”, tentamos conquistar à nossa luta essa dinâmica que representa uma contradição estrutural com o reacionismo islâmico.

11- No passado, muitos turcos emigraram para outros países da Europa, tais como França e Alemanha. O KP tem alguma influência sobre essas comunidades no exterior?

Nossos comitês estrangeiros têm como base dois objetivos: contribuir com a luta de classes no contexto de cada país, estando em consonância com os movimentos comunistas lá existentes, e organizar a população turca que lá vive, desenvolvendo seus laços com a luta de classes na terra-mãe. Contudo, apesar da importância do legado do TKP (partido comunista) no contexto da década de 1970 aos operários turcos na Europa, hoje podemos dizer que estamos muito longe de criar uma consciência de classe generalizada dentro das comunidades turcas da Europa. É claro, nós temos organizações em países europeus que alojam populações de trabalhadores emigrados da Turquia. Especialmente na Alemanha, o KP é ativo e tem influência considerável.

12- Apesar de a tentativa de golpe mostrar instabilidade no país e insatisfação dentro das forças armadas, o presidente Erdoğan retorna revigorado. O que podemos esperar da Turquia nos próximos meses?

Hoje, nossa análise sobre a noite de 15 de julho apoia-se na afirmação de que é uma farsa dizer que Erdoğan tenha se tornado mais poderoso. Talvez agora seja o turno ofensivo de Erdoğan no conflito intraestatal; porém, isso não traz estabilidade ou seguro à política turca. Em apenas alguns dias, mais de setenta mil pessoas foram retiradas de cargos públicos, incluindo a totalidade de cargos de alto nível. Não há, à disposição do governo, recursos humanos suficientes para encobrir o rombo causado por essa operação político-burocrática. Uma grande incapacidade de governar se torna mais e mais crucial na Turquia. E se isso se tornar mais insustentável, não haverá outra opção para o imperialismo se não intervir diretamente para conseguir manter a ordem capitalista na Turquia. Portanto, apesar da impossibilidade de se adivinhar que tipo de repressão política nos espera no futuro próximo, podemos presumir que as próximas medidas do governo têm limites político-estruturais.

13- Em 2017, no centenário da Revolução Russa, acontecerá, na Rússia, o XIX Festival Mundial da Juventude e Estudantes. O que a juventude do KP espera deste momento importante, onde as juventudes progressistas, revolucionárias e anti-imperialistas do mundo inteiro estarão reunidas?

Em circunstâncias onde os triunfos históricos do movimento comunistas estão em jogo, será uma importante mensagem política honrar o centenário da Grande Revolução Socialista de Outubro. Ao lado das sérias discussões e debates dentro do próprio movimento comunista, a missão de criar novas fontes de encorajamento em nome da perspectiva leninista da luta de classes deve ser uma tarefa universal a todas juventudes comunistas de nossa era.

Publicado em: https://pcb.org.br/portal2/11820?utm_source=PCB

Anúncios

Um comentário sobre “4 textos para entender os acontecimentos na Turquia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s