O terceiro turno

Coluna na Folha de São Paulo – 30/10/2014

Guilherme Boulos: Formado em filosofia pela USP, é membro da coordenação nacional do MTST e da Frente de Resistência Urbana.

_________________________________________________________________

Teoria e Práxis – Observação: O terceiro turno da luta de classes no interior das instituições burguesas terminou em um golpe de Estado. A burguesia brasileira submissa ao imperialismo, mesmo com a passividade da estratégia defensiva de conciliação de classes do PT com grandes concessões ao Capital em detrimento dos direitos dos trabalhadores, organizou um ataque à classe trabalhadora com a unidade de forças do poder econômico, de setores parlamentares corruptos, partes do judiciário e a grande mídia oligopolizada e tem planos neoliberais radicais de superexploração da força de trabalho que atacarão os poucos direitos da classe trabalhadora instituídos com a Constituição de 1988. É necessário que a esquerda desenvolva um novo ciclo de insurgência social dos trabalhadores organizados no seio da sociedade civil para barrar o avanço conservador e criar condições para o avanço da luta anticapitalista e libertária. A luta fora das instituições deve ser priorizada, considerando o caráter do Estado provedor da reprodução capitalista e do status quo. Contudo, a via institucional não deve ser desprezada e deve ser usada para diminuir/conter as opressões e arbítrios impostos pelo Estado.

“Onde são forjadas as cadeias do capitalismo, lá elas devem ser rompidas. As massas devem aprender a usar o poder usando o poder. Não há outro modo.” – Rosa Luxemburgo

“Sem dominar todas os meios de luta podemos sofrer uma derrota enorme. Dominando todos os meios de luta, venceremos seguramente.” – Vladimir Lenin

_________________________________________________________________

Acabou a batalha do segundo turno. Dilma foi reeleita para a presidência da República em votação apertada. Ao final, a vantagem no Norte e Nordeste foi suficiente para compensar a derrota em São Paulo e no Sul do país.

A campanha deste segundo turno foi marcada por uma polarização que não víamos desde 1989. Mas diferente de 1989 –quando Lula falava em suspender o pagamento da dívida pública e em fazer reformas estruturais– agora não estavam em jogo projetos políticos tão antagônicos.

O PT manteve desde 2003 as linhas mestras da política econômica tucana. O controle da inflação às custas de juros altos e câmbio sobrevalorizado, a política de superávit primário para pagamento da dívida e as concessões da infraestrutura nacional e da exploração de petróleo para grandes empresas privadas.

Na política, ambos governaram alicerçados no que há de mais atrasado na sociedade brasileira. Ambos mantiveram o PMDB como eminência parda da política nacional.

O PT nem ensaiou nestes 12 anos levantar a bandeira das reformas populares –bloqueadas no país desde João Goulart. Reformas urbana e agrária, reforma tributária progressiva, reforma política e do sistema financeiro. Auditoria da dívida pública, desmilitarização das polícias e democratização das comunicações. Estas são as pautas populares e de esquerda para o Brasil. Alguém as viu nos últimos governos?

Porém, a disputa entre Dilma e Aécio foi extremamente polarizada, tendo a elite brasileira e todos os setores mais conservadores se alinhado com o candidato do PSDB. Por que isso, se as diferenças não são tão grandes assim?

Quem polarizou as eleições de 2014 foi a direita. Ao PT não interessava a polarização, afinal governou durante 12 anos com o discurso de um pacto social, aonde todos se beneficiariam. Mas os setores mais atrasados da sociedade brasileira –assanhadinhos desde o ano passado– resolveram tomar o antipetismo como razão de existência.

Na linha mais conservadora, construíram um discurso racista, antipopular e de ódio aos pobres. As manifestações pró-Aécio fizeram lembrar a Marcha da Família com Deus de 1964. Os protagonistas inclusive foram os mesmos: a classe média de São Paulo e a fina-flor da elite urbana brasileira.

Até dirigentes do PSDB entraram na onda. José Aníbal evocou Carlos Lacerda, o maior golpista da história da República, para dizer que, mesmo tomando posse, Dilma não poderia governar. FHC enterrou algum resquício de credibilidade intelectual –se é que o tinha– com sua fala sobre o voto dos nordestinos(“PT cresceu nos grotões porque tem voto dos menos informados”) . Dizem que o governo Dilma não terá legitimidade. Legitimidade para essa gente significa o apoio da classe média do Sudeste.

Mas o segundo turno acabou e o PT levou a fatura. A eterna turma do deixa-disso, liderada por Michel Temer, já começa a costurar a repactuação das forças políticas e o fatiamento do novo governo. Polarização foi até domingo, dizem, agora é hora da união republicana pela governabilidade.

Ledo engano! Agora é que vai começar a ficar interessante. Polarização política, quando levada ao sentimento popular, não se desmonta com facilidade. E a situação econômica exige decisões que não poderão ser tão conciliadoras.

É claro que a vontade de Dilma é recosturar alianças e fazer um governo de unidade. Deixou claro isso em seu discurso da vitória. Mas ela sabe que o mar não está para peixe. O crescimento econômico refluiu e isto impacta no Orçamento. A ideia de governar para todos –com lucros recordes para bancos e empresas e algumas melhorias para os trabalhadores– não se sustenta na nova conjuntura.

A hora é de decisões. Ou se tomam medidas impopulares –daquelas anunciadas com regozijo por Aécio Neves– ou se enfrenta o desafio de reformas populares. O modelo lulista de conciliação nacional dá sinais claros de esgotamento, pois está baseado na combinação de crescimento econômico com desmobilização social. Junho de 2013 e a polarização eleitoral de 2014 foram sintomas disso.

Evidentemente, seria ilusório acreditar que o PT resolverá, de uma hora para outra, fazer as transformações estruturais que tirou de sua agenda desde antes de 2002. Tem de prestar contas para a JBS Friboi e para a Odebrecht, para Katia Abreu e Renan Calheiros. Mesmo que o desejasse, não teria condições de dar esta guinada.

Mas é aí que entra o terceiro turno. A polarização da classe média de direita nas ruas reascendeu o outro polo: os trabalhadores organizados. Aliás, desde junho de 2013 as lutas populares urbanas e as greves tiveram um crescimento expressivo e contínuo. Assim como a radicalização da direita, a crise do modelo de conciliação começa a produzir uma radicalização popular.

Nesse cenário, se Dilma começar 2015 com cortes orçamentários e ajuste de tarifas, ela pode pacificar a elite financeira e a turma do PSDB, mas terá de enfrentar a mobilização das ruas.

Pela primeira vez nesses 12 anos de petismo criou-se um caldo que pode recolocar na agenda as reformas populares. Não deixa de ser sintomático que Dilma tenha mencionado o plebiscito pela reforma política em seu discurso de união nacional. As contradições estão pulsando. É claro que a construção desta agenda não se dará por iniciativa nem vontade do PT, mas pela polarização das ruas e pelo fim de um ciclo econômico.

Será o terceiro turno das lutas. Agora sim os grandes antagonismos da sociedade brasileira poderão entrar em jogo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s